é a alquimia da quimera

o trabalho de sonho

juro que nunca na minha vida conheci alguém tão pérfido, calculista e demente como o idiota com quem trabalho. este lambe-botas, faz tudo pela calada, faz-se de mártir, chora pelos cantos e não faz ponta. tem a coragem de mentir descaradamente em frente aos superiores e enterrar quem quer que seja. finge-se de amigo preocupado de tudo e todos só por precaução.
quando entrei para aqui, o trabalho era de sonho, qualquer pessoa na minha área pagava por este tipo de experiência. eu fui a primeira estagiária de sempre a recusar este trabalho. e isso devo-o a todos os idiotas, como o meu colega de trabalho, que me fazem odiar estar aqui.
não sei que repercussões isto terá mas certo é que não aguento este ritmo de trabalho e esta frustração que é o pão nosso de cada dia.

pls break my heart

salvador, 4

a última imagem de que me lembro é a de dois copos, a meio. um de Martini rosato e um balão enorme de Hendricks. depois disso, a memória ficou turva.
lembro-me de dançarmos e de ouvirmos com atenção as músicas que passavam.
lembro-me de discutirmos política (esta será sempre a nossa realidade).
lembro-me de discutirmos conceitos de empreendorismo.
lembro-me de adormecer no carro enquanto tentava, sem sucesso, trautear a música que passava.

chegados a casa, nada estava como era suposto. o cão não veio ter connosco, a porta estava aberta e as luzes acesas. ao longe, podíamos ver três silhuetas. do outro lado da quinta, as portadas estavam também abertas e um nevoeiro descabido.
pediu-me para ir para casa e que o avisasse quando estivesse deitada.
tentei discutir e propôr uma outra estratégia mas o sono deu de si, e tomou conta de mim.
conduzi em direcção a minha casa e, quando dei por tudo, parei a meio caminho. não era normal. liguei-lhe quinze vezes e voltei para trás.
chegada a casa dele, tudo estava apagado, as portas e portões fechados e os carros arrumados. já não haviam silhuetas e o cão devia de estar a dormir. não sei bem o que raio se passou, mas ainda estou à espera que me responda.

Anónimo disse: Performing what? És atriz?

this is getting awkward, pls get out of anon and I’ll tell u everything.

a luz apaga e nós vamos embora. #fim-de-semana #vocênatv  (em TVI)

Anónimo disse: Performing?

Yep. It’s my thing, always had been and I’m actually thinking about going that road.

soumapessoafeliz disse: 17, 29, 66

olhá gaja!

17 - This year have you laughed until you cried: yep, yes I did!
29 - Name something you CANNOT wait for: get the fuck out of here :D
66 - Your future career: got no clue, advertising hopefully or performing, that’s pretty much it.

ty soumapessoafeliz!

tenho um problema incrível com lambe-botas, não os aguento.
são uma espécie de culto e adoram-se entre eles.
poupem-me.

made-in-portugal1:

são josé correia 38 anos - atriz

conheci esta mulher há umas semanas. tenho a dizer que é das melhores pessoas com quem já falei. abraçou-me como se me conhecesse, e falámos durante uma hora.é, sem dúvida, das mulheres mais bonitas que já conheci na minha vida.

made-in-portugal1:

são josé correia 38 anos - atriz

conheci esta mulher há umas semanas. tenho a dizer que é das melhores pessoas com quem já falei. abraçou-me como se me conhecesse, e falámos durante uma hora.
é, sem dúvida, das mulheres mais bonitas que já conheci na minha vida.

(via ttrincea)

às vindimas

podia ter a poesia dentro de mim,
ou a arte plástica,
ou até a capacidade de plantar um jardim.
podia ter-te a ti.
podia ser cinema e viver disso,
ou até ser diferente, nascer do avesso.
facilmente podia ser outrém,
porque ninguém gosta de ser quem
é. por isto mesmo, podia ser tudo
e mais um par de botas.
ser até mais feliz (como sonhei em petiz ser).
mas já a minha avó dizia,
de cepas tortas
não crescem boas uvas.
e já não me cansam as linhas curvas
que não me tiram do mesmo sítio.

diz que sou emotiva

embriaguezlirica:

não me acuses das cicatrizes que em ti mostras se nem uma navalha sei manusear. não tenho a culpa, não fui eu quem te matou.

"talvez amanhã, Salvador", chamadas tardias pt3

eu disse que não voltava, ele disse que estava estável.
tínhamos tudo controlado até ele olhar para mim especado. de uma forma perfeitamente imprevísivel disse-me “vem para casa comigo” e eu declinei. meio da noite e meio copo depois, convidaram-me para dançar. ouviu, correu direito a mim, deu-me um beijo e disse “dança comigo”.
eu levantei pé umas vezes, embalada de cansaço e chamei-lhe dançar. falámos sobre o que tinha de ser dito. roubou-me da minha boleia, dos meus amigos e dos meus copos e levou-me para casa. e não a minha.
não me lembrava de uma madrugada assim há um tempo.
mas, e como seria de esperar, quando finalmente deixámos o quarto para fumar um cigarro, começámos a discutir. o costume.
voltámos a deitar-nos, ele a rir e a pedir desculpa, e eu a rir e a recusar tudo o que me dizia. até que me disse “se queres, podes ir.”. eu fui.
vesti-me com a maior celeridade que trazia ainda em mim, saí porta fora. peguei no carro. ele saiu, com um nevoeiro terrível, em boxers e ficou à porta de casa a dizer para eu voltar.
sou teimosa, ele sabe. ficámos a discutir mais um bocado. ele na porta da frente de casa, eu em frente dentro do carro e o cão, muitíssimo confuso com quem deveria de ficar.
eu repetia as minhas palavras e ele as dele, ficámos neste impasse dez minutos até eu decidir ir embora de vez.
não sei dizer quantas vezes disse que o odiava. não só nessa noite como em todas. e odeio-o.
não sei se me engana quando foge comigo ou quando corre comigo. não sei qual a real faceta do bicho nem quando acreditar nele.
mas sei que o odeio por não ser capaz de se decidir.
é o Salvador e o Idiota. e até se decidirem qual deles fica, eu vou.
somos provavelmente a dupla mais demente que já conheci, e a demência (desta vez) não começa nem acaba em mim.

o-cancioneiro:

P’ra quem é amargo
qualquer dose de afeto
é overdose.

boas verdades.

(Fonte: implodi-r)

Anónimo disse: Nada! Li que ias começar no Yoga "meio acrobático" e achei estranho porque o Yoga já é acrobático. Faço Yoga há 3 anos mas já percebi que o que fazes é diferente. Onde treino também há aulas de AcroYoga/Trust Yoga mas nunca experimentei por ser preciso par e uma condição fisica brutal. Tens gostado?

ainda não pus lá os pés sequer, sou uma nódoa a cumprir horários.